Blockchain: entenda a tecnologia por trás do Bitcoin

Blockchain a tecnologia por trás do Bitcoin_CAPA

Blockchain: entenda a tecnologia por trás do Bitcoin

Hoje em dia muitas pessoas são atraídas pelo Mercado Financeiro, mas são poucas as que buscam compreendê-lo da melhor maneira possível.  

É essencial que os que querem se aventurar nesse segmento entendam o significado de Blockchain, pois é por meio dela que as transações são realizadas. No entanto, a Blockchain não é apenas usada no Bitcoin, como dito no título da matéria, mas também em diversas outros setores como veremos mais adiante

Nós preparamos esse artigo visando melhorar o seu conhecimento sobre o assunto, de forma que você entenda o que é e como funciona esse Banco de Dados.

Mas o que é o Bitcoin?

Bitcoin é uma criptomoeda virtual descentralizada e independente,  que pode ser movimentada sem a ajuda de instituições financeiras. 

O primeiro artigo sobre o Bitcoin surgiu em 2008, sendo apresentado no começo de 2009 na lista de discussão “The Cryptography Mailing”, por um suposto grupo de programadores sob o pseudônimo Satoshi Nakamoto.

Desde então a criptomoeda vem crescendo de maneira incrível. De acordo com o  site da Globo.com, entre  1 de Janeiro e 13 de Março de 2021, a criptomoeda teve uma valorização de 111% . 

A população atual possui a criptografia para se proteger, esta que é utilizada pelas criptomoedas. Com isso, em uma eventual reforma do Bitcoin, que provê a separação do estado e do dinheiro, a população pode confiar na tecnologia para escapar. Na época do fim da Igreja Católica, a maior parte dos opositores do regime tinham que fugir via navegação marítima. Hoje, quem quer escapar do estado e sua impressão descontrolada de dinheiro, tem apenas que comprar Bitcoin.

O que é a Blockchain?

Blockchain, “Cadeia de Blocos ́ ́ em português,  é uma medida de segurança que busca a descentralização. É um livro-mutável que armazena informações imediatas, compartilhadas e transparentes que podem ser acessadas apenas por membros da rede autorizada. 

A tecnologia utiliza Cadeias de Blocos, que são conjuntos de informações registradas e são ligadas a outros blocos de informações anteriores e sucessores. Ou seja, como se fosse um banco de dados onde as informações são armazenadas em cadeia.

No entanto, essa tecnologia não se limita apenas às criptomoedas. Ao contrário, ela pode ser usada em diversos outros segmentos como veremos a seguir.

Onde a Blockchain é utilizada?

O Blockchain pode ser utilizado em pagamentos internacionais, na garantia de seguros para carros autônomos, nas eleições, nos jogos digitais, no compartilhamento de energia sustentável, entre outras diversas aplicações. A tecnologia tem um potencial incrível, principalmente na área financeira.

De acordo com o site Exame, em um estudo feito pela consultoria McKinsey & Company, os segmentos que mais serão influenciados pelo blockchain serão o setor público, o mercado financeiro, e o varejo. 
O site ainda destaca outro estudo da consultoria Markets and Markets, que revela que até 2023 o faturamento do mercado de Blockchain passará de 1,2 bilhão de dólares para 23,3 bilhões de dólares globalmente.

Explicando de maneira simples como o Blockchain funciona:

  • Lucas quer enviar um bolo (ativo digital)  para o Rafael.
  • O bolo (ativo digital) é apresentado  para o Rafael como uma folha, apenas contendo a receita.
  • A receita é distribuída pelo bairro (Rede) de Rafael e cada morador (máquina) fica com uma cópia.
  • Os moradores (máquinas) do bairro (rede) verificam se a receita do bolo (ativo digital) realmente funciona. Se aprovada, ela é guardada permanentemente por eles, não podendo ser alterada.
  • A propriedade do bolo (ativo digital) que antes era de Lucas, agora ficou registrada como sendo do Rafael.

Conclusão

É sempre bom lembrar que ao mexer com os nossos dados ou dados de outras pessoas é preciso ter extrema cautela. O Blockchain por ser uma rede de armazenamento descentralizada é segura, mas ainda não é imune a ataques cibernéticos.

De acordo com o site Cio, o Brasil sofreu cerca de 3,2 bilhões de ciberataques no primeiro trimestre de 2021. 

A Loupen, além de trazer os softwares mais seguros como Rescue, GotoConnect e o gerenciador de senhas Lastpass,  também preparou uma série de artigos relacionados à segurança. Confira:

Indo além das senhas fortes: cinco dicas para garantir uma maior segurança online

Entendendo os Malwares: O que são estas ameaças e como se proteger

5 Casos em que empresas pagaram caro por falha de segurança digital

Compartilhe esta publicação

Explore outras publicações

A Loupen utiliza cookies e outras tecnologias para melhorar a sua experiência. Ao continuar navegando, você concorda com a utilização dessas tecnologias, como também, concorda com os termos da nossa política de privacidade.